Arquivo | João Paulo II RSS for this section

Pensamentos do Professor Orlando Fedeli, sobre alguns Papas da Santa Igreja.

O sedevacantismo de Orlando Fedeli aflora com a renúncia de Bento XVI.

A atitude dúbia da Associação Cultural Montfort  vai despertando a consciência de muitas pessoas que tiveram contato com a seita.

Eis a mensagem que recebemos de um ex-aluno do Orlando Fedeli, José Alencar Alves, de  São Caetano do Sul, (SP).

Outros depoimentos podem ser deixados nos comentários de nosso blog e poderão ser transformados em post depois de verificar sua veracidade.

—————–

Pensamentos do Professor Orlando Fedeli, sobre alguns Papas da Santa Igreja.

 

Perplexidade sobre o comentário feito pelo Dr. Alberto Zucchi, atual presidente da Associação Cultural Montfort, fundada pelo professor Orlando Fedeli, comentando a situação da atual renúncia de Bento XVI e o futuro conclave.

 Amigos,

 

Fui aluno do professor Orlando Fedeli. Lembro-me dos meus tempos de estudante, na época o antigo ginasial, deveri ter os meus 14 ou 15 anos.

 Este site me trouxe, como é claro, uma grande surpresa. Como o professor Orlando Fedeli poderia ser chamado de o Lutero brasileiro? Também percorri o site da Associação Cultural Montfort, para tirar informações. Lá percebi que o professor Orlando Fedeli havia saído da TFP.

Esse capítulo nem vou entrar. Foi ele mesmo que nos levou a conhecer o Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, pela qual nosso caro professor Orlando Fedeli tinha muita admiração. Creio que ele se saiu dessa organização católica e fundou sua própria organização…

 O mais curioso é encontrar o Alberto Zucchi, melhor dizendo o Dr. Alberto Zucchi. Sabem! Na época éramos garotos e eles magrinhos e muito tímidos. O Alberto Zucchi continua como pude perceber pelas críticas, e vejo com espanto, como são gratuitas a vários movimentos.

Pareceu-me, não fiz uma pesquisa exaustiva, mas pareceu que o alvo principal é a TFP. Eles vivem disso! Aliás, sempre viveram, como as seitas protestantes em relação a Igreja.

Vejam só, já estou fazendo juízos e isso não queria de forma alguma…

Por hoje só levar em consideração sobre um parágrafo que li, num artigo do Dr, Zucchi sobre a atual conjectura que passa nossa Igreja. Observemos juntos, o que afirma o Dr. Alberto Zucchi:

O título do artigo que se encontra na página da Montfort é – Bento XVI – A misteriosa renúncia de um pontificado enigmático – O Dr. Alberto Zucchi, sei que ele não me levará mal se o chamar de Zucchi ou Alberto, simplesmente. O Alberto diz:

“”Assim como o restante do mundo em geral, e sobretudo o mundo católico, assistimos perplexos à renuncia do Santo Padre o Papa Bento XVI. Nossa perplexidade rapidamente transformou-se em preocupação, uma vez que não se vê na possível lista de sucessores algum cardeal que esteja à altura da obra que era executada por Bento XVI.

A pergunta que me pus é a seguinte: O Alberto Zucchi num “penada” desclassifica todos os Cardeais da Santa Igreja como inéptos para governa-la. Quem estava a altura de um S. Pio X ou mesmo de um João Paulo II? Não lhes parece, queridos amigos desse site, que é infeliz essa formulação. Pois a Associação Monftfort acaba assim julgando a Igreja em seus Cardeais.

Qual a solução que o Dr. Alberto Zucchi dá essa situação que ele menciona em seu artigo? Não é o Espírito Santo que dirige a Santa Igreja? As portas do Inferno não prevalecerão contra ela?

Gostaria de fazer essa pergunta ao meu antigo amigo de colégio…

Mas as cartas que chegam a Associação Cultural Montfort, não são todas respondidas, ou são somente as que interessam. Vi uma literatura na internet que algumas são forjadas por eles mesmos para fazerem presença no mundo virtual… Dessa maneira aos queridos Zucchis não posso escrever essa perplexidade. 

Aqui deixo também como pesquisa alguns pensamentos de meu professor Orlando Fedeli, fundador da Associação Cultural Montfort e ex-militante da Associação Brasileira de Defesa da família e da Propriedade, TFP.

Pensamentos do Professor Orlando Fedeli, sobre Papas:

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“Um movimento, e até uma ordem religiosa, pode estar em comunhão com o Papa e cair em erros.”

QUALQUER FIEL PODE FAZER UM JUÍZO PESSOAL DAS ATITUDES DE UM PAPA

OS Estar em comunhão com o Papa não significa nada. PAPAS DO VATICANO II: HOMENS DE CERVIZ DURÍSSIMA!

JOÃO XXIII ATRELOU A IGREJA AO COMUNISMO

BENTO XV FOI INIMIGO PESSOAL DE SÃO PIO X E LÍDER MODERNISTA

PAULO VI ESCONDIA UMA DOUTRINA ESPÚRIA: A IGREJA SOVIÉTICA

PAPA JOÃO PAULO II FRACASSOU NO SEU ECUMENISMO

JOÃO XXIII E PAULO VI, ANSIOSOS POR ENTRAR EM DIÁLOGO COM O DIABO

JOÃO XXIII, AMIGO DE MODERNISTAS E MAÇONS

BENTO XV FOI INIMIGO PESSOAL DE SÃO PIO X E LÍDER MODERNISTA

PAPA JOÃO PAULO II DEIXOU UMA HERANÇA DE DIVISÃO

CANONIZAÇÕES EM MASSA DE JOÃO PAULO II: INFALIBILIDADE REAL?

Agradeço-lhes a publicação: José Alencar Alves ( São Caetano do Sul – SP)

Anúncios

João Paulo II x Jesus Cristo?

Segundo Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort, hoje dirigida pelo Alberto Zucchi e pela viuva Ivone, os ensinamentos do Papa João Paulo II contradizem os de Cristo. A profundidade teológica do inquisidor da Mooca é de envergonhar  qualquer menino de catequese paroquial. Mas este sujeito foi o fundador da seita Montfort e pensador oficial de grupos tradicionalistas como o Fratresinunum. Assim vai a Igreja de Deus… e eles enganando cada dia o povo.

O que vai fazer a Montfort agora? Eles ainda não se retrataram das doideiras de seu fundador. Não vão enganar ninguém por deixar o site mais moderninho (parabéns ao Chenta) se não fazem uma renuncia oficial do Lutero do Brasil, Orlando Fedeli. Mas o Zucchi, discípulo fiel, fará isso? Ou em breve veremos ele ajoelhado aos pés de Bento XVI como o seu mestre fez com João Paulo II? Alias… é bem de fariseu… escrever estas coisas de depois tirar fotos com o Papa para enganar o povo.

 

Orlando Fedeli: “É evidente que o Vaticano II tomou e recomendou uma atitude de otimismo e confiança no homem.

É notório que o Papa João Paulo II seguiu, durante bastante tempo, essa linha de confiança no homem.

Prova disso é o que está escrito na encíclica Redemptor Hominis, no número 12:

“A atitude missionária começa sempre por um movimento de profunda estima por aquilo “que há no homem”( Jo. 2, 25)por aquilo que há no íntimo de seu espírito” (João Paulo II, encíclica Redemptor Hominis, n* 12, Paulinas, p.32).

Ora, o Evangelho de São João capítulo II, versículo 25, ao qual remete esse texto diz:

“e porque não necessitava de que lhe dessem testemunho de homem algum, pois sabia por si mesmo o que havia no homem”.

Só que essa frase do versículo 25 é ligada à anterior que diz:

“Mas Jesus não se fiava neles, porque os conhecia a todos, e porque não necessitava de que lhe dessem testemunho de homem algum, pois sabia por si mesmo o que havia no homem” (Jo II , 24-25).

Agora, explique-me você como conciliar o que diz São João que “Jesus não se fiava neles, porque os conhecia a todos”, e porque não necessitava de que lhe dessem testemunho de homem algum, “pois sabia por si mesmo o que havia no homem” e o que escreveu João Paulo II, na encíclica Redemptor Hominis: “A atitude missionária começa sempre por um movimento de profunda estima por aquilo “que há no homem” (Jo. 2, 25) por aquilo que há no íntimo de seu espírito” (João Paulo II, encíclica Redemptor Hominis, n* 12, Paulinas, p.32).

Afinal, como Jesus, não devemos nos fiar nos homens – como disse São João – ou devemos ter profunda estima por aquilo “que há no homem”, como escreveu João Paulo II ?

Explique-me, meu caro Renato, como conciliar esses textos.

Creio que você vai ter que fazer grande acrobacia para conciliar o que é inconciliável.”

Fonte: montfort.org.br

Muitas duvidas sobre a santidade de João Paulo II

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

 

Muito prezado Professor Roberto,

Salve Maria.

Que eu me lembre, acusei João XXIII de ter sido modernista e processado na Santa Sé por isso, quando era jovem ainda. Não me lembro de ter dito isso de João Paulo II. Disse, sim, que João Paulo II foi fenomelogista, o que não lhe é elogio.

Para conhecer a vida de Karol Wojtyla, (Papa João Paulo II) recomendo-lhe que leia a biografia dele escrita por Carl Bernstein e Marco Politti, intitulada “Sua Santidade João Paulo II”. Possuo a edição francesa desse livro, mas sei que existe edição em língua portuguesa. Essa obra permite ter uma visão bem mais objetiva de João Paulo II do que a produzida pela mídia para uso do público.

Sem dúvida, o Papa João Paulo II foi um homem de grande personalidade e que arrastava multidões por sua simpatia pessoal. No Vaticano se diz, hoje, que ele enchia as praças e esvaziava as Igrejas… Basta fazer a conta dos católicos que passaram para o protestantismo durante o governo desse Papa, que morrendo, deixou uma igreja muito dividida: Teologia da Libertação contra RCC; sedevacantistas de vários naipes e de vários antipapas, e tradicionalistas de inúmeros matizes; neo cartecumanato contra todos e todos contra Kiko e Carmen; arautos contra TFP e a favor de tudo e de todos, e TFP contra tudo e contra todos; padre Marcelo Rossi contra padre Jonas Abib e padre Jonas contra outros grupos da RCC. Todos disputando “fiéis” e verbas no campeonato dos carismas e do dinheiro. E assim por diante. Não há hoje duas paróquias com a mesma missa tal a divisão deixada pelo Papa que queria unir a todos católicos e hereges sob Ut unum sint esquecendo-se que Jesus pediu isso para os apóstolos e para seus verdadeiros fiéis e não para unir os Apóstolos a Judas e a Caifás.

Dar-lhe o titulo de Magno só pode ser visto como fruto do chamado “oba, oba” da mídia. Um exagero e um absurdo.

A Igreja sempre cultuou santos que existiram

Paulo VI mandou retirar do culto alguns santos dos quais não havia registro documental histórico escrito. Isso foi um erro, pois o fato de não haver certidão de nascimento de um santo não prova que ele não existiu. Paulo VI seguiu um critério de cientificismo histórico sem sentido.

Aliás, a falta de seriedade teológica no que fez Paulo VI, nessa questão, se pode verificar no culto a São Jorge aqui no Brasil

Contou o insuspeito Dom Arns, em livro, que pediu ao papa que não proibisse o culto de São Jorge no Brasil, porque esse santo era protetor do Corinthians e que então Paulo VI atendeu esse pedido por causa do Corinthians a pedido de Dom Arns!!!

Não foi, então, São Jorge que salvou o Corinthians, mas esse clube de futebol que salvou São Jorge. E por intercessão de Dom Arns.

Parece piada.

Mas foi Dom Arns que garantiu que isso é História.

E veja como essa “cassação de santos” o prejudicou pois lhe colocou dúvidas sobre a historicidade e a santidade dos santos canonizados pela Igreja.

Não tenha dúvida alguma sobre a santidade de São Luis Rei, Dom Bosco e São Luis Grignon de Montfort.

Dúvidas deixa o livro de Marco Politti e de Carl Bernstein sobre a santidade de João Paulo II. Que Deus o tenha em sua paz.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli

 

Fonte: Montfort.org.br

João Paulo II apoiou erro condenado por Pio XI

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“Foi o Vaticano II que lançou oficialmente o movimento ecumênico que fora condenado pelo Papa Pio XI, na encíclica Mortalium Animos, de 1928.

Você poderá encontrar e ler essa encíclica no site Montfort. Leia-a, e passe-a para seu amigo. Nela se condena claramente o ecumenismo, e muita coisa que se faz hoje.

O Papa João Paulo II apoiou intensamente o ecumenismo. E apesar de todos os seus esforços e medidas para agradar os hereges nenhum deles se converteu ao catolicismo.”

Fonte: Montfort.org.br

João Paulo II deu apoio a movimento herético

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfor:

“Mas na questão do Neo catecumenato não errei, não. Esse movimento está cheio de heresias mesmo.

O fato de João Paulo II apoiar esse movimento não exime o neocatecumenato dos erros que nele existem.

O Papa São Pio X apoiou o movimento do Sillon e, anos depois, em documento oficial declarou que o Sillon o havia “ludibriado” e condenou as idéias do Sillon.

O fato de João Paulo II dar apoio a esse movimento é lamentável, porque o Neo Catecumenato está repleto de heresias, que um dia serão condenadas.

Você me perguntará como João Paulo II pode errar nisso, sendo o Papa infalível. .

O Papa é infalível somente quando se pronuncia ex Cathedra, e não há, nem pode haver, um documento ex cathedra — infalível — apoiando um movimento herético.”

Fonte: Montfort.org.br

João Paulo deixou uma herança de divisão

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“A realidade mostra que João Paulo II, apesar de seu enorme valor humano, deixou uma herança de divisão. Ele que foi o papa do ecumenismo, nem conseguiu converter hereges ao Catolicismo, e nem deixar os próprios católicos unidos.”

Fonte: Montfort.org.br

%d bloggers like this: