Tag Archive | heresias

Maçonaria na Igreja: cardeais maçons.

O tema fundamental de Orlando Fedeli e os grupos fundados ou inspirados nele, sejam a Montfort ou o Fratresinunum, é sem duvida a conspiração maçônica dentro da Igreja. A idéia de grupos ocultos que tramam na escuridão é uma paixão para eles. Para Fedeli, tudo fica reduzido a gnose e maçonaria, onde apenas a Montfort fica de fora de uma conspiração universal. Ele seria o profeta a ficar de fora de toda a Humanidade, junto com os imaculados da Montfort, e denunciar os erros da conspiração secreta. Agora, morto o profeta, fica a tarefa a para o Alberto Zucchi e a viuva Ivone. Mas o pessoal do Fratesinunum não fica por menos e a luta pela denúncia profética vai longe.

Vejamos um exemplo da paranóia publicado pela Montfort Associação Cultural. O documento em espanhol foi publicado pelo Fedeli também:

 

————————————-

 

Orlando Fedeli:
“O que se diz é que no Vaticano, e não na Igreja de São Pedro, há lojas maçônicas constituídas por Monsenhores Bispos e até cardeais. Consta até que no Vaticano funcionam quatro Lojas maçônicas.
Anos atrás o jornalista Mino Pecorelli, publicou um documento dando uma lista de 123 cardeais e Bispos com cargos no Vaticano e que seriam maçons. Mino Peccorelli era membro da loja P2, e foi assassinado um ano depois de publicar a lista de maçons, em plena rua, quando dirigia seu carro. Mando-lhe anexada essa lista.
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

EL ASESINATO DEL PERIODISTA MINO PECORELLI EN 1979…Y LA LISTA CUYA PUBLICACIÓN LE COSTÓ LA VIDA.
            Antes de dejar que un historiador tan cualificado como Ricardo de la Cierva nos narre la trama en torno al asesinato de este periodista, debemos aclarar varios aspectos previos:          
            l.- El “Concilio” Vaticano II es herético de por sí, pero dos pruebas que lo corroboran son el que sus promotores fueran ministros del Anticristo y que sus frutos hayan demostrado ser infernales (Bugnini y la reforma litúrgica). Todos los enemigos de la Iglesia lo defienden…
             2.- La masonería es un arma de los hijos del Diablo para destruir a Jesucristo y a su Iglesia, y naturalmente no responde a la imagen beatífica que las televisiones ofrecen o a los testimonios de masones de grados ínfimos a los que no les han enseñado ni el significado del Templo de Salomón.
             3.- Se nos quiere hacer creer que todas las profecías del Nuevo Testamento, las apariciones de la Virgen y las visiones de los santos, no tienen nada que ver con esta época y que la Iglesia goza de magnífica salud. Además, en las Biblias católicas, cada vez más “adornadas” se identifica al Anticristo y al número de la Bestia 666…¡con Nerón!. ¡Magnífico intento, rabinos! ¡ATENTOS A LAS VERSIONES DE LA BIBLIA – ES SU PRÓXIMO ASALTO! Busquen versiones lo más antiguas posible: traducciones de la Vulgata Latina o como mucho, la Nácar-Colunga. Comparen los textos y las notas.
            Extractos de: Ricardo de la Cierva. La hoz y la cruz. Auge y caída del marxismo y la teología de la liberación. Editorial Fénix. Serie Máxima.
“Todos los fieles tienen el derecho, y a veces incluso el deber, en razón de su propio conocimiento, competencia y prestigio, de manifestar a los Pastores sagrados su opinión sobre aquello que pertenece al bien de la Iglesia y de manifestarlo a los demás fieles, salvando siempre la integridad de la fe y de las costumbres, la reverencia hacia los Padres y habida cuenta de la utilidad común y la dignidad de las personas”. [p. VIII]
            Canon 212. Código de Derecho Canónico vigente, incluso sancionado por Juan Pablo II.
 
            “En los comienzos de 1976 aparecieron en muchos órganos de comunicación de todo el mundo unas sorprendentes listas con datos muy concretos sobre la vasta infiltración de la masonería en la Iglesia católica. Pablo VI, que las repasó personal y cuidadosamente, quedó casi fulminado al comprobar que su delegado y hombre fuerte de la reforma litúrgica, monseñor Aníbal Bugnini, figuraba en la primera de esas listas con el nº 25, nombre masónico secreto BUAN, fecha de iniciación 23 de abril de 1963 y contraseña secreta 136-75 (Cfr. Bulletin de l´Occident Chrétien 12 (Julio 1976) Bourg Le-Roi). Al fin de este capítulo valoraremos la credibilidad de estas listas masónicas de 1976 que algunos encartados desmintieron, entre ellos monseñor Bugnini; pero no pudo convencer a Pablo VI, que le destituyó como secretario y factotum del “Consilium” para la reforma litúrgica y le alejó a un puesto diplomático marginal, la delegación apostólica en Irán. (en Y. Chiron, Paul VI. París, Perin, 1963). [p. 11]
            “…la bellísima duquesa de Kent, primer miembro de la familia real que se convierte abiertamente al catolicismo desde la deserción de Enrique VIII en el siglo XVI. La duquesa, esposa nada menos que del Gran Maestre de la Gran Logia de Inglaterra (que asistió a la ceremonia) ofreció el alto ejemplo de una conversión tan sincera como sencilla, como si no se tratara de un acontecimiento histórico sino de un retorno natural a las fuentes de la fe en Inglaterra. La han seguido miles de pastores y fieles anglicanos, alarmados por las aberraciones recientes de su Iglesia vacía y exangüe.” [p. 70]
            “La conciencia de la crisis ya no abandonó a Pablo VI hasta su muerte. Se atribuía una seria responsabilidad personal y pastoral en ella, que minaba su salud y le hacía envejecer prematuramente. Ante su confidente Jean Guitton hizo, poco antes de morir, esta confesión dramática: “Hay una gran turbación en este momento de la Iglesia y lo que se cuestiona es la fe. Lo que me turba cuando considero al mundo católico es que dentro del catolicismo parece a veces que pueda dominar un pensamiento de tipo no católico, y puede suceder que este pensamiento no católico dentro del catolicismo se convierta mañana en el más fuerte. pero nunca representará el pensamiento de la Iglesia. Es necesario que subsista una pequeña grey, por muy pequeña que sea”. Años después Guitton comentaba: “Pablo VI tenía razón. Y hoy nos damos cuenta. estamos viviendo una crisis sin precedentes. La Iglesia, es más, la historia del mundo, nunca ha conocido crisis semejante…Podemos decir, que por primera vez en su larga historia, la humanidad en su conjunto es a-teológica, no posee de manera clara, pero diría que tampoco de manera confusa, el sentido de eso que llamamos el misterio de Dios” [p. 84]
“En Italia los comunistas controlaban ya desde sus administraciones regionales y locales al cincuenta y dos por ciento de la población. La rebeldía marxista de los teólogos de la liberación se extendía por gran parte de Suramérica. Pablo VI ya no parecía el mismo. Sus secretarios le oían repetir, obsesivamente: “No quiero traicionar a Cristo”. Publicaciones confidenciales de Europa y los Estados Unidos difundían extrañas listas de prelados de la Curia adeptos a la Masonería, entre ellos el artífice de la reforma litúrgica, monseñor Bugnini, cuyo caso había investigado directamente el Papa, que se vio obligado a alejarle a la oscura delegación apostólica en Teherán, en vez de concederle el capelo que todo el mundo esperaba; en el capítulo que dedicaremos a las relaciones entre la iglesia y la masonería analizaremos las fuentes de estas denuncias masónicas, que se atribuyeron al periodista Mino Pecorelli, quien pronto sufrió una oscura muerte.” [p. 101
“El viernes 1 de septiembre se reunió (Juan Pablo I) con los periodistas, a quienes trató como colegas; y a nadie quiso excluir del encuentro, ni siquiera al arriscado independiente Mino Pecorelli, vetado por muchos desde que insertó un par de años antes en su hoja confidencial de información una lista de prominentes masones de la Iglesia y de la Curia que había angustiado a Pablo VI y que el Papa Luciani se proponía analizar caso por caso…El encuentro más emocionante tuvo lugar, sin duda, el 5 de septiembre, cuando entró a verle el metropolita de Leningrado Nikodim, un hombre santo, poseído de espíritu ecuménico, que se arrojó a los pies del Papa para ofrecerle su obediencia como cabeza de la Iglesia universal. Los dos se abrazaron en nombre de Cristo y la emoción del nuevo prelado católico fue tan intensa que sufrió un espasmo y falleció en brazos de Juan Pablo I, cuya impresión fue indecible. Es muy extraño que este acontecimiento, históricamente probado, no haya suscitado ni entonces ni después más que comentarios de rutina…a medida que pasaban aquellos días intensísimos Juan Pablo I iba comprendiendo en el fondo de su alma la agonía de su atormentado predecesor.” [p. 472]
               
                         Mino Pecorelli asesinado en venganza por la Masonería
“El periodista Mino Pecorelli, que había denunciado la infiltración masónica en las alturas de la Iglesia, fue asesinado en Roma el 22 de marzo de 1979, de forma misteriosa que parecía ritual. Nadie hurgó en esa muerte hasta que en 1995, durante el proceso del dirigente democristiano Giulio Andreotti, alguien le acusó de haber ordenado el asesinato del denunciante.” [p. 484]
 
 
            La siguiente lista de masones fue reimpresa con algunas actualizaciones del “Bulletin de l”Occident Chrétien Nr.12, Julio, 1976, (Director Pierre Fautrad a Fye – 72490 Bourg Le Roi.) Todos los hombres de esta lista, si son masones, están excomulgados por la Ley canónica 2338. cada nombre es seguido por su posición si es conocida; la fecha en que fue iniciado en la Masonería, su código y su nombre en clave, si son conocidos. 
            Los nombres son casi todos italianos. Seguramente si incluyera españoles, franceses, alemanes, norteamericanos…sería varias veces más larga. Esto le costó la vida a Pecorelli, y quizás también la información que tenía sobre el asesinato de Juan Pablo I. En color blanco, los más importantes:
           [ EN RAZÓN DE LA IMPORTANCIA DE ESTA LISTA, LA HEMOS PUBLICADO SIN TRADUCIR POR COMPLETO. LO ANTES POSIBLE LA SUSTITUIREMOS POR LA VERSIÓN ÍNTEGRA EN ESPAÑOL. ]
                  
                                        El Cardenal Bea (en realidad Behayim, criptojudío y masón, “eminencia gris” del Concilio Vaticano II), el arzobispo Bugnini (perpetrador de la nueva liturgia) y el nuncio Dadaglio (artífice de la “renovación” de la Iglesia española). Y el cardenal Casaroli, Secretario de Estado en una década decisiva.
  1. – Albondi, Alberto. Obispo de Livorno, (Leghorn). Iniciado 8-5-58; I.D. # 7-2431.
  2. – Abrech, Pio. En la Sagrada Congregación Obispos. 11-27-67; # 63-143.
  3. – Acquaviva, Sabino. Profesor de Religión en la Universidad de  Padua. 12-3-69; # 275-69.
  4. – Alessandro, Padre Gottardi. (Doctor en las reuniones masónicas).  Presidente de los Hermanos Maristas. 6-14-59.
  5. – Angelini Fiorenzo. Obispo de Messenel, Grecia. 10-14-57; # 14-005.
  6. – Argentieri, Benedetto. Patriarca  de la Santa Sede. 3-11-70; # 298-A.
  7. – Bea, Augustin. Cardenal. Secretario de Estado (próximo al Papa) bajo los Papas Juan XXIII y  Pablo VI. (Nota del editor: en realidad, alias de Behayim).
  8. – Baggio, Sebastiano. Cardenal. Prefecto de la Sagrada Congregación de los Obispos. (Ésta es una Congregación crucial para el nombramiento de nuevos obispos). Secretario de Estado bajo el Papa Juan Pablo II desde 1989 a 1992. 8-14-57; # 85-1640. Nombre en clave masónica “SEBA.” El controla la consagración de obispos.
  9. – Balboni, Dante. Ayudante pontificio en el Vaticano. Comisión para estudios bíblicos. 7-23-68; # 79-14 “BALDA.”
  10. – Baldassarri Salvatore. Obispo de Rávena, Italia. 2-19-58; # 4315-19. “BALSA.”
  11. – Balducci, Ernesto. Artista de imágenes religiosas. No dejan ningún detalle. 5-16-66; # 1452-3.
  12. – Basadonna, Ernesto. Prelado de Milán, 9-14-63; # 9-243. “BASE.”
  13. – Batelli, Guilio. Miembro seglar de numerosas academias científicas. 8-24-59; # 29-A. “GIBA.”
  14. – Bedeschi, Lorenzo. 2-19-59; # 24-041. “BELO.”
  15. – Belloli, Luigi. Rector del Seminario de Lombardia, Italia. 4-6-58; # 22-04. “BELLU.”
  16. – Belluchi, Cleto. Obispo Coadjutor de Fermo, Italia. 6-4-68; # 12-217.
  17. – Bettazzi, Luigi. Obispo de Ivera, Italia. 5-11-66; # 1347-45. “LUBE.”
  18. – Bianchi, Ciovanni. 10-23-69; # 2215-11. “BIGI.”
  19. – Biffi, Franco, Monseñor. Rector de la Universidad Pontificia de la Iglesia de San Juan lateranense. Es el director de esta universidad y controla lo que está siendo enseñado. Confesaba a Pablo VI. 8-15-59. “BIFRA.”
  20. – Bicarella, Mario. Prelado de Vicenza, Italia. 9-23-64; # 21-014. “BIMA.”
  21. – Bonicelli, Gaetano. Obispo de Albano, Italia. 5-12-59; # 63-1428, “BOGA.”
  22. – Boretti, Giancarlo. 3-21-65; # 0-241. “BORGI.”
  23. – Bovone, Alberto. Secretario sustituto de la Oficina sagrada. 3-30-67; # 254-3. “ALBO.”
  24. – Brini, Mario. Arzobispo. Secretario para China, Oriente y los paganos. Miembro de las Comisiones pontificias para Rusia. Tiene el control de la reelaboración del Derecho Canónico. 7-7-68; # 15670. “MABRI.”
  25. – Bugnini, Annibale. Arzobispo. Autor del Novus Ordo Missae. (Reforma litúrgica). Desterrado a la nunciatura en Irán por Pablo VI. 4-23-63; # 1365-75. “BUAN.”
  26. – Buro, Michele. Obispo. Obispo. Prelado de la Comisión Pontificia para Sudamérica. 3-21-69; # 140-2. “BUMI.”
  27. – Cacciavillan, Agostino. Secretaría de Estado. 11-6-60; # 13-154.
  28. – Cameli, Umberto. Director de la Ofician de Asuntos eclesiásticos de Italia en el cuidado de la educación de la doctrina católica. 11-17-60; # 9-1436.
  29. – Caprile, Giovanni. Director de los Asuntos Civiles Católicos. 9-5-57; # 21-014. “GICA.”
  30. – Caputo, Giuseppe. 11-15-71; # 6125-63. “GICAP.”
  31. – Casaroli, Agostino. Cardenal. Secretario de Estado (muy cercano al Papa) con el Papa Juan Pablo II desde el 1 de julio de 1979 hasta su retiro en 1989. 9-28-57; # 41-076. “CASA.”
  32. – Cerruti, Flaminio. Jefe de la Oficina de la Universidad para el estudio de las Congregaciones. 4-2-60; # 76-2154. “CEFLA.”
  33. – Ciarrocchi, Mario. Obispo. 8-23-62; # 123-A. “CIMA.”
  34. – Chiavacci, Enrico. Profesor de Teología Moral, Universidad de Florencia, Italia. 7-2-70; # 121-34. “CHIE.”
  35. – Conte, Carmelo. 9-16-67; # 43-096. “CONCA.”
  36. – Csele, Alessandro. 3-25-60; # 1354-09. “ALCSE.”
  37. – Dadagio, Luigi. Nuncio de Papa en España. Arzobispo de Lero. Un buen elemento. Artífice de la “revolución” en la Iglesia española. Se mostró especialmente sádico y rastrero con el General Franco en sus últimos años de enfermedad y vejez. 9-8-67. # 43-B. “LUDA.”
  38. – D”Antonio, Enzio. Arzobispo de Trivento. 6-21-69; # 214-53.
  39. – De Bous, Donate. Obispo. 6-24-68; # 321-02. “DEBO.”
  40. – Del Gallo Reoccagiovane, Luigi. Obispo.
  41. – Del Monte, Aldo. Obispo de Novara, Italia. 8-25-69; # 32-012. “ADELMO.”
  42. – Faltin, Danielle. 6-4-70; # 9-1207. “FADA.”
  43. – Ferraioli, Giuseppe. Miembro de la Sagrada Congregación para Asuntos Públicos. 11-24-69; # 004-125. “GIFE.”
  44. – Franzoni, Giovanni. 3-2-65; # 2246-47. “FRAGI.”
  45. – Gemmiti, Vito. Sagrada Congregación de Obispos. 3-25-68; # 54-13. “VIGE.”
  46. – Girardi, Giulio. Teólogo marxista. Propagandista de la “Teología” de la Liberación. 9-8-70; # 1471-52. “GIG.”
  47. – Fiorenzo, Angelinin. Obispo. Título de Comendador del Espíritu Santo. Vicario General de los Hospitales de Roma. Controla las fundaciones de los hospitales. Consagrado obispo el 7-19-56; iniciación masónica el  10-14-57.
  48. – Giustetti, Massimo. 4-12-70; # 13-065. “GIUMA.”
  49. – Gottardi, Alessandro. Procurador y  Postulador General de los hermanos Maristas. Arzobispo de Trento. 6-13-59; # 2437-14. “ALGO.”
  50. – Gozzini, Mario. 5-14-70; # 31-11. “MAGO.”
  51. – Grazinai, Carlo. Rector del Seminario Menor del Vaticano. 7-23-61; # 156-3. “GRACA.”
  52. – Gregagnin, Antonio. Tribuno de las Primeras Causas de beatificación. 10-19-67; # 8-45. “GREA.”
  53. – Gualdrini, Franco. Rector de Capranica. 5-22-61; # 21-352. “GUFRA.”
  54. – Ilari, Annibale. Abad. 3-16-69; # 43-86. “ILA.”
  55. – Laghi, Pio. Nuncio, Delegado Apostólico en Argentina,y después en EE.UU. hasta 1995. 8-24-69; # 0-538. “LAPI.”
  56. – Lajolo, Giovanni. Miembro del Concilio de Asuntos Públicos de la Iglesia. 7-27-70; # 21-1397. “LAGI.”
  57. – Lanzoni, Angelo. Jefe de la Oficina de la Secretaría de Estado. 9-24-56; # 6-324. “LANA.”
  58. – Levi, Virgillio (alias Levine), Monsignor. Drrector Asistente del periódico oficial del Vaticano,  L”Osservatore Romano. Dirige la estación de Radio vaticana. 7-4-58; # 241-3. “VILE.”
  59. – Lozza, Lino. Canciller de la Academia romana de Santo Tomás de Aquino para la Religión católica. 7-23-69; # 12-768. “LOLI.”
  60. – Lienart, Achille. Cardenal. Gran Maestro masón de alto grado. Obispo de Lille, Francia. Encargado de reclutar nuevos masones.  Fue el jefe de las fuerzas “progresistas” en el Concilio Vaticano II.
  61. – Macchi, Pasquale. Cardenal. Prelado de Honor y Secretario Privado del Papa Pablo VI y Secretario Privado hasta que fue excomulgado por herejía. Fue reintegrado por el Secretario de Estado Jean Villot, y hecho Cardenal. 4-23-58; # 5463-2. “MAPA.”
  62. – Mancini, Italo. Director de Su Santidad. 3-18-68; # l551-142. “MANI.”
  63. – Manfrini, Enrico. Consultor agregado de la Comisión Pontificia de Arte Sagrado. 2-21-68; # 968-c. “MANE.”
  64. – Marchisano, Francesco. Prelado de Honor del Papa. Secretario de la Congregación para los estudios en Seminarios y Universidades. 2-4-61; 4536-3. “FRAMA.”
  65. – Marcinkus, Paul. Natural de Cicero, Illinois. 1, 90 metros de altura. Presidente del Instituto de enseñanza Religiosa. 8-21-67; # 43-649. Llamado con el espiritual apodo de “GORILA”. Culpable de los delitos y escándalos financieros de finales de los 70. Inmortalizado en la tercera parte de “El Padrino”. Nombre en clave “MARPA.”
  66. – Marsili, Saltvatore. Abad de la Orden de San Benedicto de Finalpia cerca de Módena, Italia. 7-2-63; # 1278-49. “SALMA.”
  67. – Mazza, Antonio. Obispo Titular de Velia. Secretario General del Año Santo. 1975. 4-14-71. # 054-329. “MANU.”
  68. – Mazzi, Venerio. Miembro del Concilio de Asuntos Públicos de la Iglesia. 10-13-66; # 052-s. “MAVE.”
  69. – Mazzoni, Pier Luigi. Congregación de Obispos. 9-14-59; # 59-2. “PILUM.”
  70. – Maverna, Luigi. Obispo de Chiavari, Genoa, Italia. Asistente general de la Acción Católica italiana. 6-3-68; # 441-c. “LUMA.”
  71. – Mensa, Albino. Arzobispo de Verrcelli, Piamonte, Italia. 7-23-59; # 53-23. ” MENA.”
  72. – Messina, Carlo. 3-21-70; # 21-045. “MECA.”
  73. – Messina, Zanon (Adele). 9-25-68; # 045-329. ” AMEZ.”
  74. – Monduzzi, Dino. Regente para la Prefectura de la Casa Pontificia. 3-11 -67; # 190-2. “MONDI.”
  75. – Mongillo, Daimazio. Profesor dominico de Teología Moral, Instituto de los Santos Ángeles de Roma.  2-16-69; # 2145-22. “MONDA.”
  76. – Morgante, Marcello. Obispo de Ascoli Piceno en Italia Oriental. 7-22-55; # 78-3601. MORMA.”
  77. – Natalini, Teuzo. Vicepresidente de los Archivos de la Secretaría del Vaticano. 6-17-67; # 21-44d. “NATE.”
  78. – Nigro, Carmelo. Rector del Seminario Pontificio de Estudios Mayores. 12-21-70; # 23-154. “CARNI.”
  79. – Noe, Virgillio. Cabeza de la Sagrada Congregación del Culto Divino. Él y Bugnini pagaron a 5 ministros protestantes y un rabino judío para que elaboraran el Nuevo Orden de la Misa (Novus Ordo Mass). 4-3-61; # 43652-21. “VINO.”
  80. – Palestra, Vittorie. Consejero legal de la Sagrada Rota del estado Vaticano. 5-6-43; # 1965. “PAVI.”
  81. – Pappalardo, Salvatore. Cardenal. Arzobispo de Palermo, Sicilia 4-15-68; # 234-07. “SALPA.”
  82. – Pasqualetti, Gottardo. 6-15-60; # 4-231. “COPA.”
  83. – Pasquinelli, Dante. Consejo del Nuncio en Madrid. 1-12-69; # 32-124. “PADA.”
  84. – Pellegrino, Michele. Cardenal. Llamado “Protector de la Iglesia”, Arzobispo de Turín, donde se custodia la Sábana San ta de Jesús). 5-2-60; # 352-36. “PALMI.”
  85. – Piana, Giannino. 9-2-70; # 314-52. “GIPI.”
  86. – Pimpo, Mario. Vicario de la Oficina de Asuntos Generales. 3-15-70; # 793-43. “PIMA.”
  87. – Pinto, Monseñor Pío Vito. Adjunto de la Secretaría de Estado y Notario de la Segunda Sección del Tribunal Supremo de la Signatura Apostólica.. 4-2-70; # 3317-42. “PIPIVI.”
  88. – Poletti, Ugo. Cardenal. Vicario de S.S. Diocesis de Roma. Controla el clero de Roma desde 3-6-73. Miembro de la Sagrada Congregación de los sacramentos y del Culto Divino. Él es Presidente de los Trabajos Pontificios y de la preservación de la Fe. También Presidente de la Academia de Liturgia. 2-17-69; # 32-1425. “UPO.”
  89. – Rizzi, Monseñor Mario. Sagrada Congregación de Ritos Orientales. Nombrado como “Prelado Obispo de Honor del Santo Padre, el Papa”. Trabaja bajo la órdenes del masón de alto grado Mario Brini en la manipulación del Canon de Leyes. 9-16-69; # 43-179. “MARI,” “MONMARI.”
  90. – Romita, Florenzo. Estaba en la Sagrada Congregación del Clero. 4-21-56; # 52-142. “FIRO.”
  91. – Rogger, Igine. Oficial en S.S. (Diócesis de Roma). 4-16-68; # 319-13. “IGRO.”
  92. – Rossano, Pietro. Sagrada Congregación de Religiones no-cristianas. 2-12-68; # 3421-a. “PIRO.”
  93. – Rovela, Virgillio. 6-12-64; # 32-14. “ROVI.”
  94. – Sabbatani, Aurelio. Arzobispo de Iustiniana (Giusgno, Milar Province, Italia). Primer Secretario de la Signatura Superior Apostólica. 6-22-69; # 87-43. “ASA”
  95. – Sacchetti, Guilio. Delegado del Gobernador Marchese. 8-23-59; # 0991-b. “SAGI.”
  96. – Salerno, Francesco. Obispo. Prefecto Atti. Eccles. 5-4-62; # 0437-1. “SAFRA”
  97. – Santangelo, Franceso. Substituto General del Consejo de defensa Legal.. 11-12-70; # 32-096. “FRASA.”
  98. – Santini, Pietro. Viceoficial de la Vicaría. 8-23-64; # 326-11. “SAPI.”
  99. – Savorelli, Fernando. 1-14-69; # 004-51. “SAFE.”
  100. – Savorelli, Renzo. 6-12-65; # 34-692. “RESA.”
  101. – Scanagatta, Gaetano. Sagrada Congregación del Clero. Miembro de la comisión de Pomei y Loreto, Italia. 9-23-71; # 42-023. “GASCA.”
  102. – Schasching, Giovanni. 3-18-65; # 6374-23. “GISCHA,” “GESUITA.”
  103. – Schierano, Mario. Obispo titular de  Acrida (Acri en la provincia de Cosenza, Italia.) Capellán militar jefe de las Fuerzas Armadas Italianas. 7-3-59; #14-3641. “MASCHI.”
  104. – Semproni, Domenico. Tribunal de la Vicaría del vaticano. 4-16-60; # 00-12. “DOSE.”
  105. – Sensi, Giuseppe Mario. Arzobispo titular de Sardi (Asia Menor, cerca de Esmirna). Papal Nunzio to Portugal. 11-2-67; # 18911-47. “GIMASE.”
  106. – Sposito, Luigi. Comisión de los Archivos Pontificios para los Archivos de la Iglesia en Italia. Administrador Jefe de la Sede apostólica del Vaticano.
  107. – Suenens, Leo. Cardenal. Título: Protector de la Iglesia de San Pedro Encadenado, en el exterior de Roma. Promueve el Pentecostalismo Protestante (carismáticos). Destructor de muchos dogmas de la Iglesia cuando trabajaba en las tres Sagradas Congregaciones: 1) Propagación de la Fe; 2) Ritos y ceremonias litúrgicos; 3) Seminarios. 6-15-67; # 21-64. “LESU.”
  108. – Trabalzini, Dino. Obispo de  Rieti (Reate, Peruga, Italia). Obispo auxiliar del Sur de Roma. 2-6-65; # 61-956. “TRADI.”
  109. – Travia, Antonio. Arzobispo titular de Termini Imerese. Encargado de las escuelas católicas. 9-15-67; # 16-141. “ATRA.”
  110. – Trocchi, Vittorio. Secretario para seglares católicos en el Consistorio del Estado Vaticano. 7-12-62; # 3-896. “TROVI.”
  111. – Tucci, Roberto. Director General de Radio Vaticana. 6-21-57; # 42-58. “TURO.”
  112. – Turoldo, David. 6-9-67; # 191-44. “DATU.”
  113. – Vale, Georgio. Sacerdote. Oficial de la Diócesis de Roma. 2-21-71; # 21-328. “VAGI.”
  114. – Vergari, Piero. Jefe de la Oficina de protocolo de la Signatura vaticana. 12-14-70; # 3241-6. “PIVE.”
  115. – Villot, Jean. Cardenal. Secretario de Estado con el papa Pablo VI. Fue Camerlengo (Tesorero). “JEANNI,” “ZURIGO.”
  116. – Zanini, Lino. Arzobispo titular de Adrianopoli, que está en Adrianopolis, Turquía. Nuncio Apostólico.
            LOS SIGUIENTES CLÉRIGOS FUERON DENUNCIADOS DESPUÉS DE QUE LA LISTA ANTERIOR FUERA COMPILADA:

Fregi, Francesco Egisto. 2-14-63; # 1435-87.
Tirelli, Sotiro. 5-16-63; # 1257-9. “TIRSO.”
Cresti, Osvaldo. 5-22-63; # 1653-6. “CRESO.”
Rotardi, Tito. 8-13-63; # 1865-34. “TROTA.”
Orbasi, Igino. 9-17-73; # 1326-97. “ORBI.”
Drusilla, Italia. 10-12-63; # 1653-2. “”DRUSI “
Ratosi, Tito. 11-22-63; # 1542-74 “TRATO.”
Crosta, Sante. 11-17-63; # 1254-65. “CROSTAS.

            
            En resumidas cuentas: Bea, Casaroli, Villot, Bugnini, Lienart, Suenens, Marcincus, Dadaglio, Baggio y decenas de obispos… Sin contar los demás paises.
            Nota del editor: Uno comprende perfectamente la causa del asesinato del señor Pecorelli. Si obró movido por afán de justicia, es sin duda un mártir. Y se pregunta ¿Quién tenían los Papas que no fuera masón? Esto corrobora las profecías. Todo lo posterior al Concilio tiene el sello masónico y más recientemente judaizante. 
            (Se agradecerá cualquier ayuda en la traducción correcta de las instituciones católicas o de cualquier otro error que detecte el lector. Gracias).
            [ Tomado de la siguiente página en inglés:
             Cephas Ministries (http://catholic.cephasministry.com) ]
Fonte: montfort.org.br

O Anticristo será seguidor das cartilhas da CNBB

A demência dos grupos tradicionalistas é visível em algumas afirmações do Orlando Fedeli. Esta poderia ser da fratresinunum mas é da Associação Cultural Montfort. É difícil conhecer a posição de cada uma no ranking da loucura. Que cada um tire as suas conclusões.

 

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“Meu caro, você não está seguindo os passos de Cristo.

Saiba que o Profeta Daniel, falando do Anticristo, afirmou que ele “fará cessar o sacrifício perpétuo” (Dan. XI, 31) e “repartirá a terra gratuitamente” (Dan. XI, 39) aos seus seguidores.

Portanto, o Anticristo será seguidor das cartilhas da Pastoral da Terra da CNBB.”

Fonte: montfort.org.br

Heresias na diocese de Bragança Paulista?

Como era de se esperar, quando os tradicionalistas anti-Vaticano II defendem alguma coisa, é preciso ficar “de olho”. E ainda mais quando a defesa vai junto com o ataque aos pastores da Igreja. É o programa do Lutero, revivendo sempre na figura deles.

Agora, a propósito da remoção de uma comunidade de frades carmelitas da diocese de Bragança, diversos sites tradicionalistas fizeram um escândalo contra o bispo, Dom Sérgio Aparecido Colombo. Ele foi jogado na lama mais profunda. O fratresinunum chega a insinuar que se trataria de uma vingança contra o fato de que o carmelita celebrava missas em latim, vendo aí que a “tentativa de subverter a prática da religião católica por parte do povo deixaria claro qual era o intento da diocese ao expulsar uma comunidade religiosa” . E como bons policiais da Igreja, os fanáticos do fratresinunum alertam: “É importante que as autoridades eclesiásticas acompanhem o desfecho dessa triste novela. De nossa parte, faremos questão de recordá-las de seu dever“.

Quem deu, na Igreja, a este grupelho, faculdade de “recordar” aos bispos o seu dever? Eles se autoinvestiram do poder de fiscais da Igreja.

Também, foi promovido, por mãos anônimas, muito ao estilo deles, um abaixo assinado para pressionar o bispo. Diz o texto do pedido:

Em face à expulsão do Mosteiro Carmelita Tradicional de Atibaia-SP e do Pe. Christian Augusto Spinola Montandon, conhecido como Frei Tiago de São José, em 20 de Novembro de 2012, por razões “obscuras” por parte de sua Excelência Dom Sérgio Aparecido Colombo, Bispo de Bragança Paulista, pedimos a revogação da atitude tomada e a conseqüente autorização da permanência do Mosteiro e do Frei, sem alterações sobre o modo como ele funcionou durante os últimos anos. 

Quais razões “obscuras”? Um bispo que exerce suas funções de pastor? É sempre assim. Os tradicionalistas dizem respeitar a hierarquia… sempre e quando a mesma sirva os seus interesses. Do contrário tudo são “razões obscuras”. O site do Vaticano aponta este comportamento como verdadeira heresia por parte dos tradicionalistas

Pelo seu lado, a Montfort não deixou de promover a sua campanha contra a atitude do bispo, no seu site.

Mas agora as coisas vão se esclarecendo. Foi por causa da missa? Desobediência? Fim de comodato? Ou vão aparecendo coisas muito estranhas no meio daquela comunidade? Entre outras coisas, cultos a uma água que os frades teriam no local. E que segundo depoimentos gravados em vídeo, tomando a água “você ingere o Deus vivo, mesmo” (ver minuto 1:30 do vídeo). Uma água divina? Que há por detrás de tudo isto?

Chegam também informações de que a comunidade fora acolhida no Paraguai. Será que os “novos inquisidores”, sempre tão zelosos pela ortodoxia, alertaram a Dom Rogelio Livieres, bispo de Ciudad del Este, contra estes estranhos ritos?  Certamente não. Fossem eles feitos pela Canção Nova que eles se rasgariam as vestes. Já Nosso Senhor Jesus Cristo definiu estes fariseus como raça de víboras.

Atualização: é previsível que o vídeo seja retirado do ar. Nesse caso existe copia do mesmo.

Estar em comunhão com o Papa não significa nada.

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“Um movimento, e até uma ordem religiosa, pode estar em comunhão com o Papa e cair em erros.”

Fonte: montfor.org.br

Heresias dentro dos textos da CNBB

Orlando Fedeli, da Associação Cultural Montfort:

“Que significa: “O amor de Cristo nos uniu”?
Cristo ama a todos os homens, e nem por isso os homens são unidos por esse amor de Cristo.
O que une as pessoas é o amor a Cristo, e não o amor de Cristo.
E o que significa “Santo, Santo Santo, é o Deus do Universo” ?
Deus do universo era Júpiter.
Nosso Deus não é o Deus do Universo, e sim o Deus criador do Universo.
A respeito da expressão esquisita “Ele está no meio de nós”, ela está errada.
Em português, dever-se-a dizer: “Ele está entre nós”, e não no meio de nós.
Essa frase tal como é usada, hoje, nas igrejas pode dar a entender que Deus está presente no povo. O que é absurdo e herético.
Ora, há padres que afirmam que, com as palavras da Consagração, Jesus fica presente no povo, e não na hóstia.
E isso é herético.
Portanto, a esquisita expressão “Ele está no meio de nós” pode favorecer uma heresia.
Quando o sacerdote diz: “O Senhor esteja convosco”, é muito mais correto responder a tradução do texto oficial em latim: “E com teu espírito”, e não esse esquisito “Ele está no meio de nós”.

“O amor de Cristo nos uniu”? Cristo ama a todos os homens, e nem por isso os homens são unidos por esse amor de Cristo. O que une as pessoas é o amor a Cristo, e não o amor de Cristo.”

Fonte: montfort.org.br

O que diz Orlando Fedeli sobre a CNBB?

A CNBB SÓ LANÇA MANIFESTOS VAZIOS DE FÉ E INDIGESTOS DE MARXISMO.

 

Orlando Fedeli: “A Campanha da CNBB deste ano — como todas as outras — já foi por água abaixo. Bispo devia se preocupar em difundir a Fé, ensinando a todos, como Jesus mandou, e não a fazer demagogia ecologista ou agitação comunista. Imagine: “Águas”!!! ???

O que a CNBB faz é inundar o Brasil com um dilúvio verborrágico que ninguém lê. Nem padres. Será que você não percebeu que a CNBB só lança manifestos longos, chatos, indigestos? Vazios de Fé. Indigestos de marxismo.”[5]

 
 
 

SILÊNCIO CÚMPLICE E ACOBARDADO DA CNBB COM COMUNISTAS E ABORTISTAS

 

Orlando Fedeli: “Muitos Bispos — especialmente os ligados à Pastoral da Terra, e à Teologia da Libertação — sabem perfeitamente que Lula é abortista e comunista, que ele é ligado a Fidel Castro, às FARCs, Chávez e Morales, e que pretende impor ao Brasil uma república bolchevista.

Outros Bipos sabem disso, mas temem manifestar sua oposição.

É o apoio dos bispos marxistas e o silêncio acovardado de muitos Bispos que promovem a vitória de Lula.

Por que a CNBB não se manifesta condenando o PT como partido comunista e abortista?

Por que a CNBB não condena Lula como abortista?

Por que a CNBB não proclama, em alto e bom som, que votar num candidato abortista, como Lula, é incorrer em excomunhão?

Por esse silêncio, cúmplice ou acovardado da CNBB, cairá a responsabilidade pelas desgraças que advirão a nossa pátria com a possível vitória do demagogo comunista que lidera o PT, partido que, segundo o procurador Geral da República, teve muitos de seus dirigentes conluiados numa verdadeira quadrilha, assaltante do Estado.”[6]

 
 
 
 
 

BISPOS FARISEUS: NO SHOPPING DE JEANS E CAMISA ABERTA

 

Orlando Fedeli: “ Você me fala dos Bispos de batina… E solenes… Pois soube de um, que teve destaque no Pacaembu na cerimônia de ontem à noite, e que costuma ir ao shopping de sua cidade de camisa aberta e de calças jeans… Ontem, ele estava solene, lá no Pacaembu. Ainda bem. Pelo menos uma vez.”[8]

 
 
 

PARA O CLERO NACIONAL NADA É PECADO

“Que contradições entre o que o Papa disse à juventude brasileira — que ela deve praticar a castidade — e o que lhe diz o clero nacional: que nada é pecado.”

“Que contradição entre a defesa que Bento XVI fez do celibato com o mau clero que escandalosamente sonha ter sogra. (Um seminarista me comentou que quando o Papa falou em castidade, certamente alguns padres moderninhos foram pegar o dicionário para saber o que seria aquilo…).”[9]

CNBB É A FONTE DA VERBORRÉIA ECLESIÁSTICA MAIS INÚTIL

Orlando Fedeli: “Após o Vaticano II, nasceu a mania de reuniões, manifestos, palavrório. Tudo se discute. Para tudo se fazem planos. E quem dá o pior exemplo é a CNBB que tem pastorais e comissões para tudo. É da CNBB que nasce a verborréia eclesiástica mais inútil.”[12]

“É por isso que eclesiásticos, vários de origem franciscana — [Arns, o Cardeal Hummes, o ex frei Boff…] — muito contaminados por idéias ligadas ao milenarismo dos fraticelli, e pelo Modernismo, apoiaram a fundação, a expansão, e a atuação do PT. Também apoiaram o PT, esse partido marxista-cristão(???), os frades modernistas dominicanos das Perdizes, filhos do Modernismo de Chenu, e do Pe. Congar. No convento dominicano das Perdizes se formou uma ativa célula comunista, que apoiou a guerrilha comunista de Marighela. O semi-frei Betto teve participação inglória nessa guerrilha, participação que o tornou amigo de Fidel, que o fez conselheiro de Lula, já que este último só se podia mover tendo alguém aconselhando-o ao pé do ouvido, sobre o que devia falar ou calar. Frei Betto — disse-o agora Dom Arns — era “o nosso representante junto a Lula” (Dom Paulo Evaristo Arns, entrevista “Estou decepcionado com o governo Lula”, diz Dom Paulo, in “Diário de São Paulo” – 24.07.2005, p. A 3).”

“Não há, então, como negar que o PT foi apoiado pelo clero modernista, o que é uma razão a mais para sair desse partido de origem herética.

“Lula foi o operário-símbolo escolhido para liderar esse movimento político, aplicador da Ost Politik, do castrismo, e da Teologia da Libertação.

“Foi o tempo das greves do ABC, para as quais Dom Hummes cedeu a sua Catedral. O Templo de Deus foi asilo de agitadores marxistas.

“Dom Hummes disse que recebeu pedradas junto com Lula e seus grevistas… O mesmo Dom Hummes que declarou Lula “um católico a seu modo”, mesmo depois que ele patrocinou e aprovou a lei dos transgênicos, essa fraude pseudo científica.

“Isso mostra como o clero modernista e filo socialista estava unido ou mancomunado com o projeto Lula–PT para realizar a República Socialista Operária Petista, aliada a Fidel.

“Foi a CNBB, através de Dom Morelli, de Dom Casaldáliga, um sandinista de batina e báculo, de Dom Tomás Balduíno, que promoveu o que o ex Frei Boff e o semi-frei Betto, — ambos comunistas — queriam e preparavam de acordo com a ideologia marxista, que eles adotaram e patrocinaram.”

“Com as bênçãos da CNBB. Porque a CNBB tem grande culpa na vergonha atual que sofremos, por promover esse Partido “Cristão” “à sua maneira”. À maneira da CNBB.”[13]

BISPOS DA CNBB PREFEREM O MARXISMO AOS ENSINAMENTOS DA IGREJA

Orlando Fedeli: “Esses Bispos e Cardeais, em vez de crer no que sempre ensinou a Igreja – que é impossível um socialismo cristão—preferiram crer na Teologia da Libertação apoiando o marxismo do PT.

Acreditaram na “santidade” de Lula, “católico à sua maneira”, como o “absolveu”, a seu modo, o Cardeal Hummes.”[14]

A CNBB ATUA NA PENUMBRA DAS SACRISTIAS MODERNISTAS

Orlando Fedeli: “Diante de tudo isso, muita prezado Deputado — que não quero confundir com a quadrilha marxista dirigente do PT — só posso lhe dizer, em nome da doutrina católica, que o senhor quer defender: saia imediatamente desse partido anti católico.

“Claro que o senhor deve ter sido levado a ele por conselhos que lhe deram em alguma sacristia.

“Desconfie, senhor Deputado, de conselhos esquerdistas sussurrados por clérigos modernistas, na penumbra das sacristias.

“Veja como o Deputado Severino, aquele que passou um pito num Bispo, acusando a CNBB de não fazer nada na defesa da moral católica, acabou, ele mesmo, favorecendo o projeto dos transgênicos, assim como a questão dos homossexuais. Assim são os católicos – não me refiro ao senhor — “aconselhados” na penumbra das sacristias modernistas…”[17]

SEMINÁRIOS DE HOMOSSEXUAIS, FREIRAS AMANTES DE BISPOS.

Orlando Fedeli: “Uma aluna minha contou-me que no seminário central de uma grande capital brasileira, os seminaristas, ao se encontrarem, depois de descerem dos ônibus que os trouxeram de várias procedências, saem de mãos dadas, como namorados.”

“Ainda agora, um Bispo socialista da CNBB declarou sobre os escândalos de pedofilia que isso não deveria espantar porque “os padres são seres humanos” (não me lembro das palavras textuais, mas o sentido era esse).”

“Uma outra revista publica um entrevista de uma ex-freira que prova, com fotos, que ela foi amante de um Bispo.”[20]

NÃO RECOMENDO NENHUM SEMINÁRIO

Orlando Fedeli: “Recomendo-lhe que reze muito para que Deus mantenha sua vocação sacerdotal.

Não conheço, hoje, nenhum seminário que lhe pudesse recomendar. Normalmente, os seminários ensinam modernismo e não catolicismo. Por isso, recomendaria que você aguardasse um pouco os acontecimentos que estão para ocorrer na Igreja. Consta que o Papa Bento XVI poderá logo mais liberar a Missa de São PIO V. Caso a Fraternidade Sacerdotal São PIO X volte então a estar bem unida ao Papa, certamente haveria possibilidade de ir estudar Filosofia e Teologia em seus seminários. Enquanto porém, essa Fraternidade não estiver em perfeita união com o papa será preciso aguardar os acontecimentos com paciência.”[21]

OS SEMINÁRIOS FORMAM PADRES RIDÍCULOS

Orlando Fedeli: “A Nova Missa fez do sacerdote um show man. E para atrair o povo, os seminários se preocupam em formar padres “simpáticos” (ridículos), “atraentes” (bonitinhos), labiosos” (parladores ignorantes). Já não se distribui ao povo fiel o pão da palavra de Deus. O novo clero demonstra uma ignorância teológica ao nível de suas virtudes…[22]

MAU GOSTO DE BISPO AUXILIAR DE SÃO PAULO

Orlando Fedeli: “O altar foi escolhido não pelo Papa, mas por um Bispo Auxiliar de São Paulo, que julgou o altar artisticamente belo e não pelo fato de ser da Canção Nova.

Certamente vou procurar ver com atenção o tal altar da canção nova que o Bispo considerou belo…

Sabendo do mau gosto artístico da Canção Nova, confesso-lhe que temo muito que o gosto do Bispo seja do mesmo valor.” [23]

BOM PADRE NÃO TEM CARRO NEM TRABALHA COM MULHERES

Orlando Fedeli: “Não procure os bons sacerdotes dando aulas nas Faculdades de Teologia que se multiplicam por aí. Lá, praticamente, só podem dar aulas padres comprometidos com a heresia modernista.”

“Não procure os bons padres entre os que aparecem e que são nomeados para cuidar de paróquias ricas e centrais.”

“Não procure os bons padres entre os que se vestem como janotas, que têm carro bom e secretárias. Os bons padres andam a pé — à evangelica — usam só batina preta e nunca têm secretárias, nem mulheres como “gerentes” de igreja.”

“É bem difícil, hoje, encontrar um bom padre.”[25]

DÍZIMO: HERESIA MODERNISTA

Orlando Fedeli: “Quanto ao dízimo, veja na porta das igrejas como se dá importância a pagar o dízimo, e como não se dá nenhuma importância aos dogmas da Fé. Certas paróquias católicas, de fato, infelizmente estão tão protestantizadas, que a elas cabe bem o provérbio crítico que se fazia às igrejolas protestantes: “Reze, pague e obedeça”. Sobretudo, pague!

E foi depois do Vaticano II que se espalhou a heresia modernista de Loisy, de que Cristo não fundou a Igreja, mas que o dízimo é importante para o verdadeiro cristão… “[26]

MINISTROS DA EUCARISTIA: INVENÇÃO DESASTROSA DO CONCÍLIO

Orlando Fedeli: “Após o Concílio Vaticano II e a infeliz e errada reforma da Liturgia de Paulo VI surgiram muitos abusos, que o Papa atual, agora, graças a Deus, procura coibir.

Um desses abusos foi a invenção desastrosa dos “Ministros da Eucaristia”.”[27]

A TRAIÇÃO DE DOM FERNANDO RIFAN

Orlando Fedeli: “A Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, dirigida por Dom Fernando Rifan, fez um acordo com Roma, para ter permissão de rezar a Missa de São Pio V. Para isso, o então Padre Rifan, concordou em aceitar o Concílio Vaticano II e a Missa Nova que ele combatera durante décadas. O resultado é que ele e alguns padres passaram a defender a Missa Nova, e Dom Rifan até concelebrou uma Missa nova em Aparecida. Agora, Padres mais jovens dessa Administração assistem e aceitam a Missa Nova. Isso revoltou boa parte do povo de Campos, que duarnte décadas Padre Rifan levara a condenar a Missa Nova. O mesmo Padre Rifan, anos atrás condenara o acordo que Dom Gérard, da Abadia do Barroux fizera com o Vaticano. Depois, ele fez o que havia condenado.

Agora a Fraternidade São Pio X está conseguindo a liberação da Missa de sempre sem aceitar o Concílio Vaticano II e sem aceitar a Nova Missa de Paulo VI. Sem fazer acordos que padre Rifan chamava de traição. De modo que Dom Rifan abandonou a batalha na véspera da vitória…

Imagine a frustração desse Bispo.

Abaixo lhe passo cópia da carta do, então, Padre Rifan a Dom Gérard, condenando como traição o acordo que esse abade fizera com Roma. Depois, Padre Rifan fez igual. (Os destaques nessa carta estão como os recebi)

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli

Carta profética do Padre Rifan condenando Dom Rifan

http://www.tradblogs.com.br/bomcombate/pivot/entry.php?id=12

Barroux, 3 de julho de 1988.

Caríssimo Dom Gérard Calvet

Laudetur Jesus Cristus !

A amizade sincera que nos une, ao Sr. e ao Mosteiro do Barroux e do Brasil, me leva a abrir-lhe um pouco os sentimentos do meu coração sacerdotal.
Creio que só o amor de Nosso Senhor, da Santa Igreja e das almas nos move.
Tomei conhecimento da visita dos enviados de Roma ao nosso caríssimo Mosteiro do Barroux. Certamente vão propor acordos.
Ao estudar detalhadamente o caso de D. Lefebvre, pude constatar a verdadeira cilada em que procuravam nos envolver. Eles não são sinceros. Eles o demonstraram: logo depois de assinado o protocolo, eles já queriam mais: que reconhecêssemos os erros que cometemos (doutrinários); a celebração de uma Missa nova em S. Nicolás, etc…

Vejamos o que aconteceu com D. Augustin! Começou apenas se separando de nós. Agora já está dando a comunhão na mão! O caminho é escorregadio. Começou apenas querendo a legalidade. Depois, teve que receber o bispo para celebrar missa no Mosteiro. Terminou com a comunhão na mão!

Nosso Senhor mandou-nos unir a simplicidade da pomba à esperteza da serpente.
Caríssimo Dom Gérard, o amor que temos ao Mosteiro nos impele a pedir-lhe que não faça esses acordos com quem não quer o bem da Igreja.

O cardeal Gagnon declarou (eu li nos jornais do Brasil) que a tática do Vaticano agora será tratar bem os Tradicionalistas a fim de separá-los de D. Lefebvre. Dividir para vencer é claro: se ficarmos todos juntos, os inimigos temerão e recuarão. “Vis unita fit fortior”. Se houver acordo da parte de qualquer um de nós, será o enfraquecimento geral da Tradição. O melhor serviço que podemos prestar à Santa Ireja é resistirmos juntos.
Foi em nome dessa união que nós publicamos em nosso boletim “Heri et hodie” o seu sermão “5 Razões para a sagração Episcopal onde o Sr. nos conclama a ter confiança em Dom Lefebvre. Como os eu artigo ajudou a aquietar os ânimos!

E ademais temos que olhar a situação da Igreja toda e não apenas resolver nosso caso particular. Seria uma traição à causa pela qual juntos combatemos há tanto tempo.

Tanto mais que eles confessaram a tática insidiosa. Seria o cúmulo da ingenuidade cairmos nesta armadilha.

Outrossim todos sabem que Deus reservou ao Sr. um papel providencial na Igreja hoje. Todos conhecem o bem que Deus fez por seu intermédio e por sua influência.

Caríssimo D. Gérard, é a cristandade de amanhã que implora a sua firmeza. Ajudai-nos, com o seu exemplo, a ficarmos firmes.

Se o Mosteiro do Barroux faz o tal acordo, o caro Dom Gérard já pensou na turbulência que haverá nos meios tradicionalistas ? !

E as divisões que ocorrerão dentro do Mosteiro ?! No Brasil, a repercussão será péssima. O Mosteiro da Santa Cruz poderá até desaparecer.

Os fiéis de Campos lá não irão mais. Os nossos padres não darão mais apoio. As vocações desaparecerão. E os que lá estão talvez saiam todos. Seria uma desgraça! E depois de todo o apoio dado pelos padres de Campos, de todo o esforço feito pelo Padre Possidente pelas vocações no Mosteiro percorrendo com os monges toda a diocese, uma traição destas seria uma decepção para toda a diocese de Campos e para todo o Brasil.

Tenho recebido muita correspondência do Pe. L. M. de Blignière e acompanhado o seu retrocesso. A revista “30 Giorni” [publicou um artigo sobre sua nova posição mostrando como os Tradicionalistas podem se “converter” ao progressismo. Não sei porque esse empenho dele em defender a liberdade religiosa do Concílio, fazendo uma exegese tradicional do texto, se a própria Roma o interpreta no sentido de “Assis”?! Pelos frutos se conhece a árvore: a árvore boa não pode dar maus frutos. “Assis “é fruto da “Dignitatis Humanae”.

O Ecumenismo atual, o indiferentismo religioso dos Estados patrocinado pelo Vaticano, a laicização da sociedade, são frutos da “Dignitatis Humanae”. E o próprio Cardeal Ratzinger confessou ( em entrevista ao “Jesus”) que a “Dignitatis Humanae” é o anti Syllabus !

E não se pode argumentar pela ortodoxia afirmando que, em outro lugar, se disse a verdade. É preciso reconhecer que estamos lidando com Modernistas e com um Concílio Modernista ! São Pio X já os desmascarou na “Pascendi” quando disse: ao lermos uma página deles temos a perfeita doutrina tradicional, mas ao virarmos a página nos deparamos com a heresia.

É bom lembrar o princípio de que a pior moeda falsa é a que mais se parece com a verdadeira. E tanto mais perigosa quanto mais se parece!

Caríssimo Dom Gérard, peço-lhe desculpas por escrever tudo isso, mas foi a nossa amizade sincera e o amor do nosso Mosteiro, que me levou a escrever tudo o que escrevi. A hora é grave, continuemos unidos na
oração e na identidade de doutrina. Que o seu entusiasmo pela causa da Igreja continue nos animando sempre.

Que Nossa Senhora da Santa Esperança nos guarde unidos no mesmo ideal.
Seu

In Jesus et Maria.

Pe. Fernando Arêas Rifan.”[28]

 
 
 
 
 
——————————————————————————–
 
 
 
 
 
[3] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20070723120440〈=bra
 
[4] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=politica&artigo=20040726104050〈=bra
 
[5] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20050412124357〈=bra
 
[6] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=politica&artigo=20061023091428〈=bra
 
[7] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=outros&artigo=20070802172936〈=bra
 
[8] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=papa&artigo=chegada_papa〈=bra
 
[9] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=papa&artigo=20070509181348〈=bra
 
[10] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20050224225741〈=bra
 
[11] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20040902162802〈=bra
 
[12] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20050309201910〈=bra
 
[13] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=politica&artigo=20050803125625〈=bra
 
[14] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural.
 
http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=politica&artigo=ptbras〈=bra
 
[15] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20051001145753〈=bra
 
[16] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20040823154724〈=bra
 
[17] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=politica&artigo=20050803125625〈=bra
 
[18] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20070618233706〈=bra
 
[19] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=igreja&artigo=bispo_modernista〈=bra
 
[20] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=polemicas&artigo=20040824112229〈=bra
 
[21] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apoio&artigo=20051125123814〈=bra
 
[22] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20070102224228〈=bra
 
[23] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=rcc&artigo=20070508115213〈=bra
 
[24] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20060101164027〈=bra
 
 
 
[25] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=outros&artigo=20060124152256〈=bra
 
[26] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20041029173319〈=bra
 
[27] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20040731030329〈=bra
 
 
 
[28] FEDELI, Orlando. MONTFORT Associação Cultural. http://www.XXXX.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=outros&artigo=20040929095035〈=bra
%d bloggers like this: